11 de mai de 2009

Prefeitura de Santa Rita demite 48 em abril

[Matéria de Jonas Costa para a Gazeta do Vale]

A Prefeitura de Santa Rita do Sapucaí dispensou 48 funcionários no mês de abril. O corte atingiu 39 contratos temporários e nove ocupantes de cargos de confiança. A medida faz parte de um ajuste administrativo cujo objetivo é reduzir os gastos do Município. A Divisão de Recursos Humanos da Prefeitura calcula que as demissões possibilitarão uma economia mensal de R$ 100 mil.

O enxugamento da folha de salários é reflexo da queda da arrecadação do Município, afirma o assessor de Planejamento e Desenvolvimento Municipal, Yago Euzébio Bueno de Paiva Junho. Bueno explica que, com a perda de receitas, é necessário diminuir os gastos com pessoal para cumprir as exigências da Lei de Responsabilidade Fiscal. “Por lei, a folha de pagamentos não pode ser maior que 54% da receita corrente líquida. Estávamos próximos disso antes do ajuste”, diz o assessor.

Yago Bueno integra uma comissão criada em abril para estabelecer os critérios e percentuais do ajuste administrativo. O grupo decidiu que as secretarias municipais devem diminuir suas despesas em 10%, o que provocaria uma economia de R$ 350 mil por mês. Foram reduzidos os gastos com horas-extras, ligações telefônicas, combustível e material de consumo. O corte de funcionários foi determinado pelo prefeito Paulo Cândido da Silva (PV) após reuniões com seu secretariado.

Foram demitidos de funções comissionadas Francisco Ribeiro de Magalhães Júnior (Procuradoria-Geral), Giovani Fernando Costa (Engenharia e Projetos), Carla Carvalho Costa Mendes (Previdência), Daniel Batista Santucci Barbedo (Escolas Rurais), Walterman Ribeiro da Costa (Estradas), Celso dos Santos (Serviços de Apoio), Vasco Junqueira Moreira (Limpeza Pública), Luís Carlos Ribeiro do Valle (Mercado Municipal) e Milena Rodrigues de Carvalho (Controle, Avaliação e Estatística).

Os outros 39 funcionários dispensados não tiveram seus contratos renovados pela Prefeitura. Os contratos tinham duração máxima de um ano e expiraram em abril. Cinco secretarias perderam servidores: Obras (17 demissões), Saúde (14), Educação (6), Administração (1) e Agricultura (1).

Para Yago Bueno, os serviços públicos não sofrerão queda de qualidade após o ajuste administrativo. “Vai haver um remanejamento em cada setor para cobrir os serviços”, argumenta. De acordo com a Divisão de Recursos Humanos, a Prefeitura tem 864 funcionários na ativa, sendo 530 efetivos, 284 contratados e 43 comissionados, além de prefeito, vice e cinco conselheiros tutelares. Entre os concursados, 28 ocupam cargos de confiança.

Mudanças na Secretaria de Obras – A última semana de abril registrou uma baixa no secretariado municipal: Luiz Alberto Duarte Julidori deixou a pasta de Obras e Desenvolvimento Urbano alegando motivos particulares. O substituto de Julidori é Marcos Antônio Salvador de Barros, que dirigia a Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Outra mudança na pasta de Obras é a nomeação de Daniel Teixeira para diretor de Planejamento e Projetos.

2 comentários:

Evandro Carvalho disse...

As demissões refletem o período de "vacas magras" que passa Santa Rita. Culpa da Crise, o pai de todos os males. Enquanto as prodigiosas indústrias de tecnologia e inovação do cintilante Vale da Eletrônica faturam algo próximo de 1 bilhão de reais, a Prefeitura arrecada menos. Temo que este receituário ancestral, o do administrador de carrinhos de pipocas e de sua preguiçosa marcha de caranguejo, se instale preventivamente nas mentes de nosso poder executivo - que ainda não sabem onde estão e para onde vão.

Gustavo Pinchiaro disse...

Jonas,

Qual é a situação política de Santa Rita do Sapucai? O prefeito tem maioria na Câmara? Quem é a oposição? o PT não tem força política por ai?