30 de out de 2009

Murilo Badaró lançará biografia de Bilac Pinto

[Matéria de Jonas Costa para a Gazeta do Vale]

O escritor Murilo Badaró, 78, pretende lançar até o final deste ano uma biografia do jurista santa-ritense Olavo Bilac Pinto (1908-1985), cujo texto foi concluído no início de outubro. Ex-senador da República e ex-ministro de Indústria e Comércio, Badaró já havia transformado em livro as trajetórias de três políticos mineiros: José Maria Alkimim, Gustavo Capanema e Milton Campos. Afastado da vida pública desde 2006, o autor tem se dedicado à literatura e preside a Academia Mineira de Letras.

‘Bilac Pinto, o homem que salvou a República’ é o título escolhido pelo escritor, que trabalhou 10 meses para resumir os 77 anos do jurista. Badaró assim batizou a obra por entender que a participação de Bilac no golpe militar de 1964 foi fundamental para derrotar o comunismo no Brasil. “Quando Bilac denunciou a ‘guerra revolucionária’ em preparação pelas esquerdas ligadas ao regime cubano, soviético e albanês, ele salvou a República brasileira do domínio comunista, cujos seguidores tentaram em 1964 pela terceira vez dominar o Brasil e extinguir o regime democrático característico da verdadeira República”, alega.

Badaró e Bilac ficaram do mesmo lado durante a ditadura militar, mas atuavam em facções distintas antes do golpe: o primeiro pertencia ao PSD de Juscelino Kubitschek e o segundo era um dos líderes da UDN de Carlos Lacerda. Apesar das divergências no período pré-64, o escritor diz que sempre respeitou e admirou o udenista santa-ritense. Na opinião de Badaró, Bilac Pinto se destacou principalmente nas funções de político e magistrado – foi presidente da Câmara dos Deputados e da UDN, embaixador do Brasil na França e ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), além de ser advogado, professor e empresário.

A biografia cita um detalhe curioso da história recente do país: o suposto desejo do marechal Castelo Branco em eleger Bilac para sucedê-lo no Palácio do Planalto. “Há sobejas provas no livro”, avisa o biógrafo. A eleição presidencial de 1965 acabou não acontecendo, o que frustrou os planos de Bilac, JK e Lacerda. Mas Badaró acredita que esse não foi o momento mais triste da vida do jurista. A pior notícia viria em 1983, com a morte do filho Francisco Bilac Moreira Pinto, aos 49 anos, num acidente automobilístico.

‘Chico do Bilac’ era pai do atual deputado federal Olavo Bilac Pinto Neto (PR-MG). Outra neta do jurista é Gisela Pinto Zingoni, proprietária da editora que lançará a biografia.

Nenhum comentário: